Chiado, a Lisboa elegante

Confrontado com a colina do castelo, colocado de forma simétrica em relação à Baixa, encontra-se o bairro sofisticado do Chiado, a Lisboa elegante.

Durante o cerco de Lisboa (1147), os cavaleiros ingleses, escoceses e normandos montaram o seu acampamento do lado poente da cidade, na área que hoje conhecemos como Chiado. Já durante o domínio cristão a cidade ganhou uma nova muralha que englobou o Chiado e a porta de Santa Catarina passou a ser a porta de entrada de bens e gentes provenientes do lado ocidental de Lisboa.

Chiado, a Lisboa elegante
Basilica dos Mártires

O século XVIII viu dois eventos que moldaram a cidade. Por um lado o terramoto de 1 de Novembro de 1755 provocou grandes danos, causando mesmo o desaparecimento de duas das maiores instituições de Lisboa, os conventos do Carmo e da Trindade. Ainda na sequência do terramoto, a malha urbana foi actualizada tendo emergido a rua Garrett como a grande artéria de Lisboa. Por outro lado no século XVIII foi possível fornecer água ao Chiado em quantidade apreciável (anteriormente apenas Alfama tinha água em abundância).

O século XIX viu muitos dos actuais prédios serem construídos no estilo pombalino, seguindo o modelo dos prédios da Baixa. Data deste século a emergência do Chiado como o bairro sofisticado e elegante de Lisboa.

Os loucos anos 20

O Chiado foi o epicentro em Portugal dos loucos anos 20. Nesta zona da cidade multiplicavam-se os clubes, os restaurantes e as salas de jogo. O ver e o ser visto como critério de relevância social fazia com que a sociedade lisboeta se encontrasse no Chiado.

Rua Garrett – 100 anos separam estas fotos

Nos 50 metros interditos aos automóveis no topo da rua Garrett estão presentes vários estabelecimentos que, há um século atrás, já tinham o mesmo nome e a mesma decoração que pode ver hoje. Comece por ir â “Paris em Lisboa” fazer as suas compras de produtos para o Lar. Depois atravesse a rua Garrett para tomar um Café na Pastelaria Benard. Mais acima encontra outra pastelaria, a “Brasileira”, que era frequentada pelo poeta Fernando Pessoa, que está imortalizado na estátua de bronze. Entre as duas pastelarias está o Hotel Borges, o mais antigo de Lisboa.

Com um pouquinho de imaginação poderá mesmo viajar no tempo. Sente-se numa das esplanadas e imagine que está a ouvir a jazz-band tocar o Charleston como se estivesse nos loucos anos 20.

Paris em Lisboa

No final do século XIX, Paris era o farol que iluminava o mundo e todas as cidades queriam ser um pouco como Paris. Por isso nada melhor do que abrir em 1888 uma loja na Rua Garrett 77, com o nome “Paris em Lisboa” para dar a mensagem subliminar “se não pode ir a Paris, nós trazemos Paris até si”.

Quando D. Amélia, a última rainha de Portugal, se tornou cliente, nada faltava para que a melhor sociedade de Lisboa passasse a fazer compras na “Paris em Lisboa”.

Em mais de um século de actividade os padrões de consumo mudaram-se mas esta loja conseguiu sempre adaptar-se aos novos tempos.

Brasileira

Este café foi fundado em 1905 por Adriano Telles, um ex-emigrante português no Brasil, onde casou com a filha de um dos principais negociantes de café de Minas Gerais.

Fernando Pessoa sentado na espanada da Brasileira

A decoração exuberante e a fachada concebida ao gosto dos cafés de Paris (arquiteto Manuel Norte Júnior) atrairam desde sempre à Brasileira a melhor sociedade de Lisboa incluindo artistas e intelectuais, dos quais se destacava Fernando Pessoa. A distinção dada ao local pela presença do poeta foi eternizada pela inauguração de uma estátua em Bronze que representa o poeta sentado a uma mesa da esplanada (autor Lagoa Henriques).

Benard

O café e restaurante Benard teve a sua origem num estabelecimento que Elie Benard abriu na rua do Loreto em 1868. No entanto a Benard está na sua localização actual apenas desde 1902 e a sua fachada data de 1914.

Chiado, a Lisboa elegante
Pastel de nata no Chiado (tamanho familiar)

A Benard tem 3 salas que, só pelo requinte da sua decoração, já vale a pena a visita.

Teatro S. Carlos

Em 1755 foi inaugurado o teatro Opera-Tejo, um faustoso teatro de Ópera concebido para rivalizar com os principais teatros da Europa. Este teatro teve uma vida de apenas 6 meses, tendo sido destruído pelo grande terramoto de 1755.

Integrado no plano de reconstrução de Lisboa, foi decidida a construção de um novo teatro de ópera na zona do Chiado, o teatro S. Carlos, destinado a substituir o teatro desaparecido.

O empenho dos poderes públicos fez com que 37 anos após o terramoto a cidade de Lisboa testemunhasse a inauguração do S. Carlos no dia 30 de Junho de 1793.

Largo do Teatro S. Carlos

O ponto alto dos mais de 200 anos de vida do S. Carlos foi a actuação de Maria Callas em Março de 1958.

livraria bertrand

A Livraria Bertrand ganhou maior notoriedade quando o Livro de Records Guiness a declarou como a mais antiga do mundo, em operação desde que foi fundada por Paul Faure em 1732.

A Bertrand está em operação desde 1732, mas nem sempre no mesmo edifício. A derrocada da Livraria no terramoto de 1755 fez com que funcionasse em instalações provisórias desde esse ano até 1773.

livraria Bertrand

Mais do que uma livraria, a Bertrand tem sido desde sempre um polo da vida literária e política do país.

Largo do Carmo

O Largo do Carmo é uma das mais elegantes praças de Lisboa. A Igreja do Convento do Carmo, fundada em 1390 era ainda em 1755 a principal igreja gótica de Lisboa. Após o terramoto, todo a cobertura da Igreja colapsou e a Igreja mantém-se em ruínas, como memorial do terramoto e das suas vítimas e actualmente é um museu.

Largo do Carmo – ruínas e fontanário

Mesmo defronte da Igreja está um fontanário da segunda metade do século XVIII, altura em que a água começou a ser abundante nesta parte da cidade. Na passagem que está ao lado da Igreja, pode aceder ao piso superior do elevador de Santa Justa, sem filas de espera nem bilhetes.


passeios de tuk tukpasseios de carro

Posted

in

by

Tags:

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *